Tradução (Translate)

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

SALVE-SE QUEM PUDER!


Depois de termos visto em directo na televisão ao linchamento dos adeptos do Sporting em pleno Estádio do Dragão com a revoltante passividade das forças da autoridade, ontem vimos Pinto da Costa a empurrar um jornalista e também vimos um segurança do FC Porto a empurrar um polícia perante as câmaras de televisão... definitivamente, a máfia está acima da lei no norte de Portugal e nada nem ninguém os consegue parar!
Depois da justiça civil ter condenado cinco jogadores do FC Porto por agressões no Estádio da Luz, o fim está próximo e certamente que vamos assistir à fuga dos ratos... que contaminam o desporto nacional e a sociedade portuguesa em geral... para as cidades de Vigo deste planeta, vai ser um salve-se quem puder, só espero que não morra mais ninguém!

2 comentários:

  1. Um empurrar em Palermo
    O preocupante desta situação não se trata de observar um presidente idoso, já sem a capacidade de outros tempos em que a fina ironia arrasava. Hoje, sem a noção da .sua real capacidade, não sabe reconhecer que o seu tempo já acabou.
    O que mais me preocupa nestas imagens é a afronta de um empurram proporcionado por um segurança do FC Porto ao policia de serviço. Na verdade quem foi empurrado não foi só o policia, mas sim a autoridade do Estado, isto é todos nós.
    A Policia daquela cidade que durante anos seguidos a troco de não se sabe bem o quê, foi tapando escondendo, não dando o devido valor a determinados atropelos á legalidade efetuados pelo FC Porto, agora quando por vezes tenta efetuar o seu serviço, é simplesmente arrasada por aqueles a quem nunca soube colocar na ordem.
    Perante tudo isto, ainda não vi nenhum comunicado do Comandante da Policia, nem do Ministro da Administração Interna. Se calhar o problema é esse mesmo, afinal empurrar a lei em Palermo é perfeitamente normal, portanto dentro das leis do Estado.
    Sorte teve o policia por as televisões estarem no local, porque se fosse sem TV e com pouca luz a coisa ainda era muito pior.
    Triste País este em que vivo.

    ResponderEliminar