Tradução (Translate)

segunda-feira, 31 de março de 2014

JOGO SUJO


"A influência do doping no desempenho atlético era de tal forma poderosa que dei por mim a conseguir “performances” quase inacreditáveis. Lembro-me de um jogo das competições europeias (com o Boavista) contra uma equipa que tinha 3 campeões do mundo no seu plantel. Um deles era um poderoso avançado no jogo aéreo (Jorgen Klinsman). Sempre joguei a defesa esquerdo mas apanhei-o várias vezes no meu terreno de acção. Ele era um armário com um tremendo poder de impulsão. Mas eu nesse dia saltei que nem um louco e ganhei-lhe quase todas as bolas de cabeça, parecia que tinha molas nos pés. A esta hora esse antigo atleta ainda se deve estar a perguntar como é que foi possível perder tantas bolas para um meia-leca naquele jogo. O segredo era uma pequena vacina, do tamanho de meia unha, chamada “Perventin”. Espetavam-nos aquilo no braço e dava para correr e saltar durante 4 jogos seguidos. Eu é que estava alterado. Mas ainda assim fico contente por ter ganho porque esse momento foi histórico.
O doping tem duas faces. Por um lado dá força, dá para aguentar mais, ajuda a ganhar. Provocava uma raiva enorme que acompanhada pelas palestras dava-nos vontade de entrar em campo e corrermos loucamente.
No final de um jogo em que nos tínhamos dopado pedíamos um “anti-raiva” de modo a baixar a dose que tínhamos tomado. Mas mesmo assim com o anti-raiva ainda dava para correr até à meia noite. Ou então dava para o inverso, depressão, falta de paciência, isolamento.
O mais triste de tudo isto é a naturalidade com que um futebolista aprende a viver nesta situação miserável. Quando o massagista que nos dava a droga dizia-nos que era ilegal mas não nos avisava de eventuais perigos".
Fernando Mendes in Jogo Sujo

Sem comentários:

Enviar um comentário