Tradução (Translate)

quinta-feira, 8 de maio de 2014

O CAMPEÃO VOLTOU...

João Tiago Figueiredo

Então tu é que és o Benfica?

«Tivesse eu mais dez anos, talvez, e nesta altura estaria a dizer ao Benfica: «Eh pá, estás na mesma». Ou então um «Tás gordo pá», que é aquele apontamento que só foi um elogio num tempo em que pesar quilos a mais era sinónimo de estar bem na vida.

Mas não. Hoje olho para aquelas camisolas vermelhas e só digo: «Então tu é que és o Benfica? Muito prazer. Já ouvi falar muito bem de ti».

Eu cresci a ouvir muita coisa sobre o Benfica. O grande Benfica. O Benfica europeu. Que mandava. Que ditava leis. O Benfica onde as camisolas ganhavam jogos. O Benfica dominador.

Traçaram-me o perfil de um gigante adormecido. Moribundo em alguns anos. Contaram-me o que foi, como era, como poderia ter sido.

Mas eu só via um Benfica hesitante. Errático. Um Benfica que se escondia, que ficava pequeno. Via um Benfica que envergonhava o passado e que não tinha nada a ver com o que me diziam. Via, em suma, um Benfica que não era o Benfica.

Más companhias, más escolhas. Uma sucessão de tiros ao lado. Se calhar o azar, mas a fortuna pouco explica no futebol. Explicações para aquela pálida imagem do que me diziam ser o Benfica havia aos montes. Umas por demérito próprio. A maioria por mérito alheio.

Tenho memória de três campeonatos ganhos pelo Benfica, para além deste. Em 1994 era ainda novo de mais para perceber se aquele ainda era o Benfica dos livros. Dizem-me que sim. Que foi o último Benfica a sério. Em 2005 vi um Benfica menos mau que os demais. Em 2010 um Benfica vistoso, artista e arrogante. Mas a sofrer até ao fim.

Em 2014 chegou o Benfica mais vermelho. O Benfica de cabelos pintados e de 33 na face. O Benfica que eu nunca vira e para o qual terei de arranjar uma gaveta nas memórias.

«Então tu é que és o Benfica?». O Benfica que manda, que é campeão com margem suficiente para fechar a camisola e erguer os braços. Para ir de um lado ao outro da pista e saudar toda a crew em gaudio. O Benfica com duas finais europeias seguidas.

Nasceu das cinzas de um final deprimente. Cresceu no caos, segurou-se nas indecisões e absorveu o medo inimigo. Foi ganhando pontos, fé, prestígio. Cresceu até ser o Benfica mais dominador que tenho memória. Que ganha com dez, em casa e fora. Que resiste com nove.

A ponta final da época passada, e o tom elevado de Jesus quando se debruça sobre o tema só o confirma, deixa aberta a porta do «E se…».

Mas este Benfica é mais maduro. É mais Benfica. É um Benfica que ainda não conhecia.

Muito prazer, então. Mostra lá o que sabes fazer mais.»
João Tiago Figueiredo in Cartão de memória

3 comentários:

  1. Era um Benfica tão poderoso que a malta entrava no Estádio da Luz com o secreto desejo de que os adversários marcassem primeiro para dar alguma réplica,


    ResponderEliminar
  2. Muito bom ,deveria ser replicado mais porque traduz bem os sentimentos de todos menos de 30 anos, falta apenas os mais velhos que em que o titulo se chamaria-se "Bem-vindo a casa esperei muito por ti, Benfica"

    ResponderEliminar
  3. Bom dia!

    Podemos fazer uma troca de links entre blogues por favor?

    O meu é: http://davidjosepereira.blogspot.pt/

    Muito Obrigado!

    Depois passem pelo meu a confirmar a troca, para eu também adicionar o vosso blogue aos meus links.

    ResponderEliminar