Tradução (Translate)

terça-feira, 20 de maio de 2014

PROGRAMA ANTIDOPING DA UEFA


Já ouviram falar do passaporte biológico de esteróides... pois bem, este novo programa de combate ao doping, justamente com a introdução de exames sanguíneos nas competições da UEFA a partir da temporada 2013/14, podem explicar muito do que se passou esta temporada com jogadores de clubes dominadores que apresentavam constantes índices físicos elevadíssimos... a condição física de alguns jogadores de classe mundial foi inacreditavelmente má esta temporada, muitos jogadores estiveram irreconhecíveis, com episódios que chegaram mesmo a levantar suspeitas... deixo-vos um artigo do site oficial da UEFA, para perceberem melhor este programa de antidoping e o que está a ser feito para combater a 'batota'!

ANTIDOPING
A UEFA é tida como uma das principais entidades desportivas a nível mundial no combate ao doping e está constantemente a assegurar que o seu programa de sensibilização e testes se mantenham na vanguarda científica, sendo reconhecida pelas boas práticas na prevenção e detecção.

Qualquer jogador que participe numa competição da UEFA pode ser sujeito a um controlo anti-doping no final de uma partida, mas também poderá ser controlado fora de competição. Os controlos podem incluir a recolha de amostras de sangue e urina, bem como a detecção de substâncias, tais como EPO e hormonas de crescimento humano. Não é divulgada informação de quando estes controlos são realizados.

Para ilustrar a dimensão do trabalho da UEFA nesta área, basta dizer que na época 2012/13 foram testados mais de 1800 jogadores em todas as suas competições, o que dá uma média de aproximadamente um futebolista por jogo. Foram testados 813 jogadores na UEFA Champions League (489 dos quais fora de competição), 561 atletas na UEFA Europa League e mais de 400 nas provas de futsal, mas também nas competições femininas e dos escalões jovens.

Em Maio de 2013, o Comité Executivo da UEFA decidiu aprovar novas iniciativas anti-doping, incluindo o lançamento de uma pesquisa por forma a traçar, retrospectivamente, o perfil de esteróides dos quase 900 jogadores que participaram em competições da UEFA desde 2008. O estudo visa identificar a prevalência potencial do uso de esteróides no futebol europeu, utilizando informação de controlos anteriores. O estudo será colectivo e anónimo, por isso os seus resultados não vão resultar na violação dos regulamentos anti-doping por parte de qualquer jogador.

Baseado nos resultados do estudo, pode ser considerada a futura implementação, no seio do programa anti-doping da UEFA, de um programa de passaporte biológico de esteróides. Para além disso, o Comité Executivo da UEFA decidiu introduzir a realização de alguns exames sanguíneos nas competições da UEFA a partir da temporada 2013/14, para além dos habituais exames de urina. Até agora, a UEFA tinha realizado exames sanguíneos apenas nas fases finais do Campeonato da Europa de 2008 e 2012.

Foi criado um programa educacional dirigido especificamente aos jovens jogadores. Nas fases finais dos Europeus dos escalões jovens são ministradas sessões formativas sobre o combate ao doping. Os materiais educacionais distribuídos aos jogadores ajudam a alertar, informam sobre os regulamentos e procedimentos do anti-doping da UEFA e ajudam a evitar erros processuais.
in site oficial UEFA

7 comentários:

  1. Carapau de Corridaterça-feira, maio 20, 2014

    Os jogadores do fcporto nem se viram e o messi deixou de correr, porque terá sido!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a seleçao espanhola tb nao vai ser a mesma,e se fizerem o mesmo nas modalidades vao ver mt jogadores a cairem de rendimento,os ke jogam nos porcos caiem todos,reparem nos peitos dos jogadores do porto em andebol enkuanto la estao e depois de sairem como ficam menos musculados!!!

      Eliminar
  2. E se calhar, por isso é que o horta foi para o mundial do Brasil e deixou a adop!
    Cá a coisa tá a ficar difícil!
    E deve ser ele a controlar os jogadores de algumas equipas, por encomenda?

    ResponderEliminar
  3. O melhor exemplo e mais recente é o João Moutinho que foi mais um barrete enfiado. Foi considerado o flor do ano pelo conceituado L´Équipe.

    "Présenté comme un crack et suscitant de nombreuses attentes à son arrivée sur le Rocher, le milieu international portugais s'est finalement montré assez discret dans le jeu. L'ancien joueur de Porto a surtout déçu dans sa capacité à se montrer décisif (1 but et 6 passes).
    (Sem a amarelinha é mais difícil).

    Contratado no início da época no "pacote" milionário que levou James Rodríguez para o Monaco, o médio português João Moutinho foi esta segunda-feira incluído nos dez de "flops" da Ligue 1, elaborado pelo prestigiado jornal gaulês "L'Equipe".

    O referido jornal diz que o ex-FC Porto chegou a França "como craque" e "com expectativas elevadas", mas falhou ao "não ser decisivo nos jogos", já que apenas marcou um golo e fez seis assistências.

    ResponderEliminar
  4. Peço desculpa e não me leves a mal, (lê, altera se assim entenderes e não publiques) mas vou voltar a apontar um erro que se está a generalizar, a confusão entre os verbos TER e ESTAR (e não estou a 'gritar' é só para destacar!) :-))

    "...muitos jogadores 'tiveram' irreconhecíveis..."

    Tal como com o crer e o querer, também vai sendo normal, entre os mais novos, a utilização de um verbo cujo Infinitivo TAR não existe.

    Neste caso, onde se escreve "tiveram" deverá escrever-se "estiveram". São em ambos os casos, a 3ª pessoa do plural do Pretérito Perfeito Simples (Eu tive../Eu estive...) e do Pretérito-Mais -Que-Perfeito (Eu tivera... / Eu estivera...) do Indicativo, dos verbos TER e ESTAR.

    Glorioso abraço, dum Benfiquista e leitor assíduo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela correcção e acima de tudo pela explicação.
      Um grande abraço, saudações.

      Eliminar
  5. Eu é que agradeço a tua humildade e a correcção do trato.

    Abraço à Camp33ão

    ResponderEliminar