Tradução (Translate)

quarta-feira, 14 de junho de 2017

DUARTE GOMES MOSTRA CLARIVIDÊNCIA ASSINALÁVEL!

Estamos quase no Verão. Estão 30.º C e a maioria dos jogadores, técnicos, árbitros e dirigentes goza de um merecido período de férias. Supostamente este é tempo para recarregar baterias e para preparar o futuro.
No entanto, ainda que em meados de Junho, o ruído não acabou. Pelo contrário. Ele vai sobrevivendo há custa de pequenas novelas que vão alimentando o nosso quotidiano, agora numa fase mais carente de notícias bombásticas.
Nessa matéria, pode-se dizer que estas últimas semanas foram produtivas.
O que não falta por aí é gasolina para a fogueira. Alguns litros lançados de forma mais estratégica e ponderada, outros por manifesta incapacidade de controlar emoções e raivas acumuladas e ainda uns quantos atirados sem maldade. De forma quase infantil. Como se fosse possível alguém esquecer-se que, neste mundo de potenciais pirómanos, qualquer palito não fosse confundido com um fósforo.
Em resumo: o «diz que disse, diz que fez, diz que não disse e diz que não fez» anda por aí. De novo.
Digam-me uma coisa: já não estão fartos destes filmes? Que gente é esta que se orgulha patrioticamente dos nossos grandes méritos desportivos e, ao mesmo tempo, consegue lançar a confusão interna, com rumores, intrigas e especulações permanentes?
É que isto acontece recorrentemente. De todos os lados e quase todos os dias. E com o elevado patrocínio das redes sociais que são pródigas em fazer de uma não notícia o assunto mais falado da actualidade.
Será que há alguém com dois dedos de testa que ainda não percebeu que a maioria das pessoas está cansada de teorias de conspiração, de processos de vitimização, de manias de perseguição? Não estamos todos fartos deste ambiente negativo, destrutivo, que alimenta ódios e gera revoltas? É suposto ser assim, o futebol que todos gostamos?
O que vale é que a quantidade dilui a credibilidade. E às tantas já ninguém liga. Ninguém se importa se o que diz é verdade ou meia verdade, se é mentira ou meia mentira.
O que as pessoas normais querem e precisam é de paz, elevação e respeito. Se, de facto, há provas que indiciem a mais ínfima ilegalidade, por favor avancem! Apresentem-nas em sede própria e deixem que a justiça actue a direito, com rigor, transparência e celeridade!
Todos nós queremos e desejamos um mundo mais limpo e um desporto mais são!
Mas se é apenas mais fumo, se não há evidências de crime, se nada existe de palpável, então tenham paciência mas não estraguem o jogo que paga o salário a tanta gente.
Repensem a vossa ética profissional, a vossa qualidade enquanto homens, enquanto chefes de família e pessoas sérias que são. Será que era mesmo isto que queriam fazer quando fossem grandes? Será que vale tudo para vencer?
Ainda não perceberam o efeito medonho que estão a criar nos adeptos mais susceptíveis? Os ódios, as ondas de violência verbal, o aumento exponencial da intolerância, da ameaça e do insulto gratuito? Sabem o poder que têm, por força do mediatismo que vos concedem? Sabem o impacto que têm numa franja significativa da opinião pública? Porque não usam de forma construtiva, positiva, diferenciadora? Com classe e brilhantismo?
Honestamente não entendo. Não entendo o que vos move fora do campo quando é lá dentro que se ganham os jogos.
Alimentar, quase diariamente, picardias não repõe o passado, não melhora o presente e não altera o futuro.
Sejam éticos. Sejam profissionais. Sejam superiores a pequenas vendettas.
Chega de darmos tiros nos pés. Chega de vomitar ressabiamentos sem sentido, de levantar suspeitas pouco concretas, de jogar ao gato e ao rato.
O futebol português precisa do vosso lado melhor. Do vosso carácter e da vossa competência. Não dessa sombra de coisa que não vos define.
«When the game is over, the game is over».
Podemos seguir em frente, por favor?"

Duarte Gomes, in A Bola


7 comentários:

  1. Até que enfim algo que foi escrito com sensatez!

    ResponderEliminar
  2. pelo que se le e ouve...e o Desespero total para os lados do clube da fruta e das casas de alterne...veremos o que nos levara a pensar em toda esta "estrumeira"lancada por aquela gente sem escruplos...
    Antonio Macedo

    ResponderEliminar
  3. “O jogo da Luz serviu para perceber definitivamente a hierarquia actual do futebol português. O F.C Porto mostrou quem é o patrão da Liga” Francisco J. Marques 3/12/2007

    este grunho azul não tem um minimo de vergonha ,nem de moral ,nem etica ,depois disto.

    ResponderEliminar
  4. Acusações vindas do clube do café com leite, da fruta, do aconselhamento matrimonial e da viagem na cosmos ao Brasil ou do clube do depósito de 2.000,00€ na conta do árbitro deviam ser liminarmente rejeitadas por falta de idoneidade do acusador.

    ResponderEliminar
  5. Post scriptum: o melhor é peidar ou cuspir nisso em homenagem ao decrépito flatulento azul ou ao infantil cuspideiro verde, respetivamente.

    ResponderEliminar